Falta de atividade física mata 300 mil por ano no Brasil. Ser ‘jogador de final de semana’ causa prejuízos para a saúde

Retrato de um país sedentário, em que só 30% da população é fisicamente ativa e apenas entre meros 2% a 5% fazem exercícios em volume ideal. No Brasil, 300 mil pessoas morrem por ano de doenças associadas diretamente ao sedentarismo, uma a cada dois minutos, diz o médico Victor Matsudo, consultor da Organização Mundial de Saúde (OMS) para atividade física

Hoje começa o fim de semana, e muitos brasileiros planejam as mais do que tradicionais peladas, com três, quatro horas de futebol. A princípio, diversão e sinal de que, afinal, não são sedentários. Mas a batida expressão “só-que-não” nunca teve uso tão apropriado. Não só são sedentários quanto temerários. O exercício visto pela lente da ciência revela que a pelada pode até ser divertida, mas não traz benefício para a saúde. Na verdade, é arriscada. O mesmo vale para desportistas de fim de semana em geral. São os motoristas de domingo da saúde. Retrato de um país sedentário, em que só 30% da população é fisicamente ativa e apenas entre meros 2% a 5% fazem exercícios em volume ideal. No Brasil, 300 mil pessoas morrem por ano de doenças associadas diretamente ao sedentarismo, uma a cada dois minutos, diz o médico Victor Matsudo, consultor da Organização Mundial de Saúde (OMS) para atividade física e coordenador da Rede de Atividade Física da América Latina.

— De ontem para hoje, 154 mil pessoas no mundo morreram dessas doenças, principalmente as do coração. O sedentarismo é o fator de risco isolado, mas prevalente. A comunidade médica e científica demorou muito para acordar para o problema — diz Matsudo.

CORPO PRÉ-HISTÓRICO EM ROUPA MODERNA

Especialistas compartilham a preocupação:

— O sedentarismo é hoje o maior problema de saúde pública do país, o maior fator de risco isolado. É epidêmico e não recebe a devida atenção. Está na origem de uma série de doenças evitáveis — garante o professor de cardiologia da UFRJ Claudio Gil Araújo, um dos maiores especialistas do país em medicina do esporte e do exercício, com décadas de experiência que incluem o atendimento de atletas olímpicos a senhores de 97 anos.

O sedentarismo avança com a vida moderna, na qual se faz quase tudo sentado, no transporte, no lazer e no trabalho. Um exemplo está na exposição “Rio: primeiras poses — Visões da cidade a partir da chegada da fotografia (1840-1930)”, no Instituto Moreira Salles. A observação de fotos antigas de transeuntes do Centro do Rio há mais de um século revela como a maioria das pessoas era mais magra, destacam os médicos. Não que fizessem ginástica, mas suas vidas eram ativas, andava-se mais. Atividade física não é o mesmo que esporte, lembra Matsudo.

A dose semanal mínima de exercício, segundo Araújo, é de 75 minutos de atividade intensa ou 150 minutos de moderada. Ele lembra que o estado do sedentarismo pode ser ainda mais grave do que o oficial, pois os dados vêm da pesquisa nacional Vigitel, importante, mas baseada em autodeclaração e feita apenas nas capitais. Ou seja, nem todo mundo que se declara ativo de fato é. E aí voltamos aos atletas de fim de semana, aquelas pessoas que fazem exercício uma vez a cada sete dias e se consideram ativas.

O fisiologista Igor Lucas Gomes-Santos, da Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da USP, explica por que o exercício esporádico é perigoso:

— Jogar futebol durante três horas, uma vez por semana, é pior do que não fazer nada. Isso gera estresse oxidativo nas células, um processo que deflagra inflamação e desequilíbrio no organismo. Se você faz atividade até por menos tempo de uma vez, mas com regularidade, seu corpo é vacinado pelo exercício. Ele gera doses pequenas de estresse e essas levam a adaptações benéficas, ativam mecanismos protetores — salienta o pesquisador. — O exercício é homeostático. Ele normaliza tudo o que está alterado. Se a pressão está alta, ele baixa, por exemplo. E isso acontece porque nosso corpo evoluiu para o movimento. E essa adaptação ao movimento faz com que precisemos de estímulos. Pequeninos estresses diários. O exercício faz esse papel — diz.

E quando essas doses de estresse que mantém o corpo azeitado entram em descompasso, começam os problemas, observa.

O Homo sapiens surgiu há cerca de 200 mil anos e evoluiu para ser ativo, para correr pelo menos uns dez quilômetros por dia para comer e não ser comido. E assim foi a vida até há cerca de 11 mil anos, quando surgiu a agricultura. Ainda esta exigia grande gasto energético.

REPOUSO ABSOLUTO GERA EFEITOS COLATERAIS

As coisas não mudaram muito em termos de consumo de energia com a Revolução Industrial, já que as pessoas trabalhavam com grande esforço físico e andavam muito. Só há pouco mais de um século o trabalho se tornou mais sedentário; o transporte, idem; e a comida, abundante. A vida se tornou confortável. Só esqueceram de combinar com a evolução. O corpo continua o da Idade da Pedra, apenas vestido para o século XXI, em tamanhos cada vez maiores. A vida moderna proporcionou maior expectativa de vida (cerca de 30 anos maior que há um século), maior estatura (em média, sete centímetros a mais nos homens) e a eliminação de doenças infecciosas em grande parte. Porém, trouxe números epidêmicos de doenças menos frequentes há cem anos, como diabetes do tipo 2, certos tipos de câncer, mal de Alzheimer e males cardíacos.

— Vivemos com tecnologia moderna e corpo pré-histórico. E a regra do jogo é: tudo o que você não usa perde. Quando surge uma doença, não está preparado — salienta Gomes-Santos.

Quando nos exercitamos, o RNA em nossas células responde. É convertido em proteínas. A meia-vida desse RNA alterado pelo exercício é de segundos a dias. Em geral, o efeito dura cerca de 36 horas, diz Gomes-Santos.

— Hipertensos que se exercitam reduzem a pressão em 24 horas. Diabéticos sentem melhora nos níveis de insulina em duas semanas. Mas o efeito é temporário — destaca.

Precisamos sempre renovar a dose de atividade. Se paramos, o efeito é negativo, diz:

— Ficamos sem proteção e apenas com a parte ruim, que é o estresse oxidativo. Por isso, a regularidade e a progressão são importantes, e os exercícios intensos e esporádicos, péssimos.

O educador físico Marcelo Cabral, que trabalha com reabilitação, alerta para outro aspecto do problema:

— A atividade faz tanta diferença que, muitas vezes, uma pessoa com doença cardiovascular, mas bem condicionada fisicamente, apresenta um risco menor de males do coração do que um sedentário aparentemente saudável.

Araújo acrescenta que o repouso absoluto é um vilão a ser evitado. Pessoas doentes confinadas numa cama sofrem danos colaterais sérios.

— A cada dia deitado se perde 1% da capacidade física. Um mês de internação produz efeitos avassaladores sobre o corpo, que não foi feito para isso. Nosso manual de fábrica tem instruções para atividade e nenhuma para repouso exagerado. É por isso que o exercício é o melhor remédio. Atacar as causas. Os medicamentos atuam sobre as consequências — frisa Araújo.

O cardiologista Claudio Domenico é pioneiro na prescrição do exercício a seus pacientes.

— O indivíduo condicionado vive melhor e tem risco reduzido para muitas doenças — observa, ele próprio atleta, que rema de quatro a cinco vezes por semana — O médico precisa dar exemplo — diz.

Tanto ele quanto Araújo destacam que o estímulo à atividade física é o maior legado que as Olimpíadas podem deixar para o país.

Fonte: Portal da Educação Física

Anúncios
Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

OMS coloca bacon, linguiça e salsicha na lista de alimentos cancerígenos

Há ‘evidência suficiente’ de ligação desses alimentos com câncer, diz relatório.Texto alerta para risco de alto consumo de carne processada.

O consumo de produtos como salsicha, linguiça bacon e presunto, aumenta o risco de câncer do intestino em humanos, afirma um novo relatório da OMS (Organização Mundial da Saúde) publicado nesta segunda-feira (26). De acordo com o documento, a carne processada é um fator de risco certo para a doença, e carnes vermelhas de um modo geral são um fator de risco “provável”.

As canes processadas foram colocadas na lista do grupo 1 de carcinogênicos – que já inclui tabaco, amianto e fumaça de diesel – para os quais já há “evidência suficiente” de ligação com o câncer. O relatório foi feito pela IARC (Agência Internacional de Pesquisa do Câncer), órgão ligado à OMS.

Risco de câncer
“Para um indivíduo, o risco de desenvolver câncer colorretal em razão do consumo de carne processada permanece pequeno, mas esse risco aumenta com a quantidade de carne consumida”, afirmou Kurt Straif, chefe de programa Monographs, do IARC, que avalia riscos para o câncer.

Um estudo de meta-análise — que avaliou diversos outros estudos– estima que cada porção diária de 50 gramas de carne processada aumente o risco de câncer colorretal em 18%. Esse tipo de câncer é hoje o segundo mais diagnosticado em mulheres e o terceiro em homens, e está matando 694 mil pessoas por ano (segundo dados de 2012 da OMS, os mais recentes).

A carne vermelha – grupo dentro da qual estão tecido muscular de boi, porco, carneiro, bode e cavalo – foi classificada como um carcinógeno (produto capaz de provocar câncer) “provável” e entrou na lista do grupo 2A, que contém o glifosato, princípio ativo de muitos herbicidas.

A definição do IARC para carne processada inclui produtos “transformados por salgamento, curagem, fermentação, defumação e outros processos para realçar sabor ou melhorar a preservação”, afirma um artigo publicado por cientistas do IARC na revista médica “The Lancet”, que acompanhou a divulgação do novo relatório.

Carne vermelha
“Essas descobertas dão mais suporte às recomendações sanitárias atuais para limitar o consumo de carne”, afirmou Christopher Wild, diretor do IARC.

“Ao mesmo tempo, a carne vermelha tem valor nutricional”, afirmou o médico, sugerindo que as novas recomendações não sejam encaradas de maneira alarmista. “Esses resultados, então, são importantes para permitir governos e agências regulatórias internacionais para conduzirem avaliações de risco, de modo a equilibrar riscos e benefícios de comer carne vermelha ou processada e para fornecer as melhores recomendações diárias possíveis.”

“A maior parte das carnes processadas contém carne de porco ou boi, mas também pode conter outras carnes vermelhas, frango, carne de segunda (fígado, por exemplo), ou subprodutos da carne, como o sangue”, afirma o artigo.

A classificação mais branda para a carne vermelha é reflexo de “evidências limitadas” de que ela causa câncer. O IARC descobriu ligações principalmente com o câncer de intestino, mas também observou associações com tumores no pâncreas e na próstata, afirmou.

Fonte: g1.globo.com

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

Exercícios físicos ajudam nos estudos

A musculação traz inúmeros benefícios para o corpo, mas muita gente ainda não se deu conta que a prática de exercícios físicos também oferece muitas vantagens para a mente, figurando dentre eles a efetiva melhora nos estudos.

É difícil imaginar como a regularidade nas atividades físicas interferem no desempenho escolar, mas o fato é que uma série de diferenciais é notada no aprendizado daqueles que dividem o tempo entre os livros e os halteres.

Quer saber como os exercícios físicos melhoram o desempenho dos estudantes? Veja a seguir!

Mens sana in corpore sano

A citação em latim expressa bem o principal objetivo da prática de exercícios: conquistar uma mente sã em um corpo são. O equilíbrio físico e mental é o resultado mais importante dos treinos sistemáticos, muito embora os atletas costumem ater-se exclusivamente às visíveis transformações físicas decorrentes do treino.

De acordo com especialistas da Harvard, a prática diária de exercícios aeróbicos (moderados) por 20 minutos, melhora pelo menos três funções cerebrais.

Exercitando a memória e o raciocínio lógico

Pesquisas recentes feitas por neurocientistas da Universidade de Illinois (EUA) apontaram que alunos que se saem bem nos exercícios físicos também apresentam um melhor desempenho nas atividades escolares. Além disso, crianças e adolescentes que praticam esportes com frequência apresentam uma performance escolar 20% superior à de alunos sedentários.

Isso acontece porque quando a pessoa se exercita a produção de neurônios aumenta. A prática de exercícios tem o poder de desenvolver células cerebrais, criando novas conexões interneurais e mantendo a mente sempre jovem e ativa.

Concentração nota 10

Praticar exercícios físicos ajuda muito na concentração e fixação de conteúdos. Quem os pratica, além de desenvolver melhor o raciocínio lógico e a memória, apresenta também reflexos mais apurados e maior foco na realização de atividades escolares ou acadêmicas.

De acordo com o Salk Institute, na Califórnia, pessoas adultas que caminham pelo menos três vezes por semana melhoram em até 15% a sua capacidade de aprendizado e concentração.

O exercício melhora a autoestima e prepara o caminho para a aprendizagem

O exercício físico traz vários benefícios psicológicos para seus praticantes, e um deles é a elevação da autoestima. Segundo recente estudo publicado pelo Journal of Pediatric Psycology, se a pessoa se sentir bem com ela mesma, ela ficará mais confiante, terá mais vontade de aprender e consequentemente o seu rendimento escolar será melhor.

A prática de exercícios ajuda ainda a minimizar os níveis de estresse, tão típicos em épocas de prova e nos períodos de tensão que envolvem o vestibular, a apresentação de trabalhos, monografias, entrevistas de emprego e afins. Exercícios leves e moderados fazem com que o corpo libere beta-endorfina, uma substância que proporciona bem-estar e prazer. Isso garante que a pessoa tenha ânimo para realizar todas as suas atividades sem sucumbir ao estresse.

Boas práticas para quem quer fazer da musculação uma aliada dos estudos

Se você deseja usar os exercícios para melhorar seu desempenho nos estudos, veja a seguir algumas dicas que preparamos exclusivamente para você:

  • Mesmo que a rotina de estudos esteja intensa, organize seu tempo de modo que você possa se exercitar ao menos três vezes por semana;
  • Opte por atividades prazerosas para você, afinal, o exercício não deve ser visto como obrigação;
  • Escolha exercícios moderados nas épocas de muita exigência nos estudos! A sobrecarga não faz bem ao seu rendimento intelectual;
  • Esportes coletivos, aulas de dança e atividades ao ar livre são ótimas pedidas para quem deseja dar um gás no desempenho dos estudos.

Quanto mais se trabalha o corpo, mais se exige do cérebro e, isso é muito positivo para a saúde e bem-estar de modo geral. Agora que você já sabe o quanto se exercitar faz bem para o desempenho acadêmico, que postura você vai adotar? Esperamos que você escolha os exercícios como uma “disciplina” para a vida toda. Vai valer a pena!

Bons estudos e ótimos treinos para você!

Fonte: Ciaathletica

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

Exercícios físicos são aliados no combate à dor nas costas, afirmam especialistas

A prática de atividade física, mesmo que cause desconforto a quem sofre com a dor lombar, colabora para aliviar o sintoma. É o que indica um recente estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Gotemburgo, na Suécia. Na ocasião, 109 pessoas que apresentavam o problema foram divididas em dois grupos: enquanto o primeiro se manteve fisicamente ativo, apesar da dor, o segundo praticou menos exercícios, e somente até o ponto de os mesmos não serem dolorosos. O resultado foi que os pacientes do primeiro grupo se recuperaram muito mais rapidamente e foram diagnosticados como menos propensos a se sentirem deprimidos, apesar de sentirem mais dores durante a prática do exercício.

— Se praticada regularmente, a atividade física não só alivia as dores de quem já sofre com a lombalgia, como também previne a dor nas costas em que ainda não a sentiu. O exercício ajuda a fortalecer a musculatura, o que aumenta a sustentação do corpo, diminui o risco de lesões e melhora a postura. Mas para quem é sedentário, é bom tomar cuidado com a intensidade dos exercícios, que deve progredir com o tempo — recomenda o médico neurocirurgião Paulo Porto de Melo.

O especialista ainda afirma que o sedentarismo é a principal causa da dor nas costas.

— Entre 25 e 30 anos, os discos intervertebrais, que protegem e amortecem o atrito entre as vértebras na coluna, podem começar a apresentar complicações. Esse desgaste ocorre por causa dos maus hábitos, como fumar, carregar excesso de peso e falta de consciência postural, mas, sem dúvida, a falta de atividades físicas é o principal fator hoje em dia — destaca Melo.

Ainda de acordo com ele, o mais indicado para quem sofre com a dor lombar é que a prática de exercícios físicos seja de, no mínimo, 30 minutos diários.

 

Dicas simples para abandonar o sedentarismo e evitar a dor nas costas

— Prefira subir e descer escadas ao invés de usar o elevador ou a escada rolante;

— Deixe o carro na garagem para percorrer pequenas distâncias, como, por exemplo, aquela ida à padaria;

— No escritório, tente levantar a cada meia hora e caminhar um pouco pelo ambiete de trabalho – isto ajuda a evitar as dores;

— Quem pega ônibus para voltar para casa pode descer uma parada antes e fazer o restante do trajeto a pé;

— Pequenas tarefas domésticas, como fazer faxina, levar o cachorro para passear e arrumar a cama colaboram para colocar o corpo em movimento e evitar problemas futuros.

Fonte:zh.clicrbs.com.br

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

Estudo liga dieta das mães na gravidez a problemas cardíacos no bebê

Mulheres que se alimentam de forma saudável antes e durante a gravidez podem diminuir o risco de o bebê desenvolver problemas de coração, dizem pesquisadores.

A relação aparece em um estudo, publicado no Archives of Diseases in Childhood Fetal & Neonatal Edition, que entrevistou 19 mil mulheres nos Estados Unidos – que tiveram filhos entre 1997 e 2009 – sobre suas dietas no ano anterior à gravidez.

Metade delas tinha tido filhos saudáveis, a outra metade tinha tido filhos com graves problemas cardíacos.

Ao comparar a dieta desses dois grupos, os pesquisadores descobriram que as mães que se alimentavam melhor tinham menos chance de ter filhos com problemas de coração congênitos.

Os cientistas dividiram a dieta em quatro grupos, de acordo com sua qualidade. As grávidas no melhor grupo tiveram menos chances de ter um bebê com defeitos no coração – como defeitos no septo atrial e tetralogia de Fallot – do que as do pior grupo, mesmo quando considerados outros fatores, como se a mãe tomou ácido fólico (presentes em alimentos como espinafre, brócolis e carnes vermelhas) ou era fumante.

Doenças cardíacas congênitas são um dos tipos de problemas de nascimento mais comuns, afetando até 9 em cada 1.000 bebês nascidos no Reino Unido e 1% dos nascimentos nos EUA.

Defeitos leves, como sopro no coração, muitas vezes não precisam ser tratados, porque podem melhorar sozinhos sem causar mais problemas. Mas outros podem ser mais sérios e alguns, letais.

Na maioria dos casos, os problemas decorrem de falhas ocorridas logo no início do desenvolvimento do feto. Alguns problemas de coração se devem a genes defeituosos e cromossomos. Mas, com frequência, não se sabe por que o coração do bebê não se desenvolve normalmente, diz a British Heart Foundation (BHF).

“É um estudo interessante que destaca a importância da alimentação desde o início da vida”, diz Victoria Taylor, nutricionista da BHF.

Escolhas saudáveis

Uma dieta considerada saudável inclui peixe, frutas, nozes e vegetais. Mulheres grávidas e tentando engravidar são aconselhadas a tomar determinados suplementos.

Especialistas recomendam ácido fólico – para reduzir o risco de outros problemas de parto como espinha bífida (uma má formação congênita) – e vitamina D – para gerar ossos e dentes saudáveis.

“Uma dieta saudável antes, durante e depois da gravidez pode ter benefícios para a mãe e para a criança, como visto aqui, toda a dieta tem que ser levada em consideração, e não se focar apenas em nutrientes individuais”, diz Taylor.

“Comer bem não é uma forma garantida de evitar efeitos congênitos no coração, mas esse será outro fator que vai motivar mulheres planejando uma gravidez a fazer escolhas saudáveis.”

Fonte: g1.globo.com

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

Treinamento Generalizado para Idosos

COMPARAÇÃO DAS CAPACIDADES FUNCIONAIS DE MULHERES IDOSAS PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS DURANTE OITO SEMANAS

Nelson Hilário Carneiro, Carlos Onofre Vieira da Silva

RESUMO Estudos têm demonstrado que a prática regular de exercícios físicos pode auxiliar na manutenção destas capacidades. O objetivo deste estudo foi comparar as capacidades funcionais de idosas praticantes de exercícios físicos generalizados após 8 semanas de treinamento. Para tanto 14 idosas (68,0+/-4,2 anos) participaram do estudo. O grupo foi submetido ao programa de treinamento, 60 min/dia, 3 vezes/semana, durante 8 semanas. Para avaliação das capacidades funcionais foi aplicada a bateria de testes da AAHPERD, composta por testes de agilidade e equilíbrio dinâmico, flexibilidade, coordenação motora, resistência de força e resistência aeróbia geral. A significância das diferenças entre pré e pós o treinamento foi determinada por meio do Teste t de Student (p<0,05). Concluímos que em 8 semanas de treinamento generalizado, três vezes semanais, os resultados são mais expressáveis na coordenação, flexibilidade e na resistência aeróbia geral resultados contrários ao da agilidade e resistência de força que não obtiveram resultados significativos, entretanto elas mantiveram o mesmo nível de aptidão.

Este é um resumo de um artigo que foi publicado recentemente na revista Colloquium Vitae. O tema é bastante atual e traz informações importantes para essa camada da população que cresce a cada dia e que são acometidos pelos efeitos do envelhecimento. 

Abaixo esta o link para quem quiser ler o artigo na integra.

Rev. Colloquium Vitae

Publicado em Envelhecimento, Notícias, Saúde, Treinamento | Marcado com , , | Deixe um comentário

Sedentarismo leva a duas vezes mais mortes do que obesidade, diz estudo

O sedentarismo é mais perigoso para a saúde do que a obesidade. Um estudo publicado nesta quarta-feira (14) no periódico “American Journal of Clinical Nutrition” concluiu que a falta de exercícios físicos aparece relacionada a duas vezes mais mortes do que a obesidade.

A conclusão foi tirada a partir da observação de 334.161 homens e mulheres europeus durante uma média de 12 anos. Ao longo desse período, eles tiveram altura, peso e circunferência abdominal medidos. Os pesquisadores também coletaram relatos sobre as atividades físicas praticadas pelos voluntários.

Ao extrapolar os dados do estudo para toda a população europeia, estima-se que, do total de 9,2 milhões de mortes anuais, 337 mil sejam atribuídas à obesidade. Já as mortes relacionadas à inatividade física somam 676 mil, mais do que o dobro.

20 minutos fazem diferença

Mas não é preciso ser um atleta para desfrutar dos benefícios dos exercícios para a saúde, segundo o estudo. O simples fato de passar da categoria de “inativo” para “moderadamente inativo” – o que envolve fazer o equivalente a uma caminhada de 20 minutos todos os dias – já diminui o risco de morte prematura entre 16 e 30%.

z16“É uma mensagem simples: apenas uma pequena quantidade de atividade física por dia poderia ter benefícios substanciais para a saúde para pessoas que são fisicamente inativas”, diz Nick Wareham, professor da Universidade de Cambridge e um dos autores do estudo. “Apesar de termos descoberto que apenas 20 minutos fariam diferença, devemos procurar fazer mais do que isso. A atividade física em muitos benefícios provados para a saúde e deveria ser uma parte importante do nosso cotidiano.”

Fonte: g1.globo.com

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

90% dos brasileiros praticam esportes sem orientação profissional, diz relatório

Maiores percentuais foram registrados nas regiões Sul e Sudeste do País.

Pesquisa mostra que os locais públicos de prática esportiva não oferecem auxílio profissional para os atletas.

Mais de 90% dos brasileiros que praticam atividades físicas o fazem sem acompanhamento profissional nem orientação de instrutores. As informações são do Diagnóstico Nacional do Esporte, divulgado pelo Ministério do Esporte, e dizem respeito a dados coletados ao longo do ano de 2013.

Segundo a pesquisa, que entrevistou mais de 8,9 mil pessoas em todas as regiões do Brasil, o Sul e o Sudeste apresentam os maiores números de pessoas que praticam atividades físicas sem acompanhamento específico, com 82,9% e 82,4%, respectivamente. O Nordeste é a região com mais adeptos do auxílio específico, mas, mesmo assim, 66,9% da população se exercita sozinha.

O levantamento também aponta que os locais públicos de prática esportiva não oferecem auxílio profissional para os atletas, o que é especialmente verificado no Sul, onde o índice verificado foi de 80,5%, e no Sudeste (83,4%). Já o Norte registrou o menor contingente de pessoas que declararam não ter encontrado profissionais para auxiliar a prática em locais públicos (68,3%).

Ainda de acordo com o relatório do Ministério do Esporte, quase um terço dos brasileiros que praticam esportes o fazem em instalações esportivas pagas, como clubes, ginásios e academias, enquanto apenas 5,1% se exercitam em suas próprias casas ou condomínios.

Outro dado relevante diz respeito ao sedentarismo. Mais de 45% dos jovens entre 16 e 24 anos abandonaram as práticas esportivas. Somando esse dado aos índices referentes às outras faixas etárias, chega-se a um número assustador: quase 90% dos brasileiros não praticam atividades físicas regularmente no País.

Fonte: Portal da Educação Física

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

8 dicas infalíveis para ganhar peso

O que fazer para engordar? Descubra 8 dicas infalíveis para ganhar peso!

Homens e mulheres, das mais variadas faixas etárias, estão constantemente buscando novas técnicas para que possam manter seus corpos em forma. Porém, nem todas as pessoas procuram dietas para emagrecer. Muitos estão interessados em dietas para engordar.

Valores normais do Índice de Massa Corporal (ou IMC, que é obtido por meio do cálculo Peso / Altura x Altura) situam-se na faixa de 18,5 a 24,9 Kg/m2. Logo, você está abaixo do peso ideal se o seu IMC indicar menos que 18,5.

Pouca ingestão de alimentos e/ou metabolismo acelerado são alguns dos fatores que contribuem para a perda de peso involuntária. São várias as causas que podem colaborar para esse quadro, como por exemplo, problemas endócrinos, gastrointestinais, neurológicos, psiquiátricos (como a anorexia), além de deficiências nutricionais, infecções e tumores.

Se você quer ganhar peso, siga as 8 dicas a seguir para engordar de maneira saudável:

1. ingira mais calorias

O princípio básico para engordar é ingerir mais calorias do que você gasta. Procure comer porções maiores do que comia antes, mas saiba escolher os alimentos, para engordar sem arruinar sua saúde.

E não se esqueça de comer seis vezes ao dia, sempre incluindo carboidratos e gorduras saudáveis, que são mais calóricos e estimulam o apetite. O ideal é que você faça três grandes refeições (café da manhã, almoço e jantar) e três lanches (nos intervalos entre uma refeição e outra).

2. Faça escolhas inteligentes

Ao invés de comer só pão, escolha derivados do leite, peixe, carne e ovos, por exemplo. Coma também alimentos com elevado teor de proteínas, como feijão, legumes e ervilha, e alimentos com alto teor de amido, como batatas, arroz e mandioca. Castanhas, amendoim e nozes são ótimos alimentos calóricos e saudáveis para servir de lanche para quem deseja engordar.

3. Proteína é muito importante

A maioria das calorias que contribuem para o ganho de peso é proveniente de carboidratos e gorduras, mas o seu corpo necessita de uma grande quantidade de proteina  para construir novos músculos. Portanto, não substitua os carboidratos e gorduras por proteínas, mas aumente o consumo das mesmas.

4. Faça vários lanches

Faça vários lanches durante o dia, com alimentos que podem te ajudar a ganhar peso e não prejudiquem a sua saúde. Consuma queijo, frutas secas, e barras de cereais, por exemplo.

Evite hambúrgueres, batatas fritas e junk food em geral. Você engordará, mas não se manterá saudável, pois ganhará gordura abdominal e colesterol.

5. Líquidos também engordam

Não são só os sólidos que contribuem no ganho de peso.

Os líquidos também! Por isso, beba uma grande quantidade de líquidos que fornecem nutrientes e calorias, como leite, iogurte, sucos de frutas e compostos de alta caloria, por exemplo.

6. Intensifique os exercícios

Fazer aeróbica é ótimo? Não para engordar!

Você precisa de exercícios anaeróbicos e intensos para ganhar massa muscular. São exercícios que envolvem pesos, aparelhos de academia, mas também podem ser feitos em casa (flexôes, agachamentos, barras). Os exercícios aeróbicos, como corridas, devem ser mais leves.

 
7. Usar suplementos ou não?

Em algumas situações, suplementos alimentares podem ajudar a ganhar peso, principalmente no caso de atletas. Porém, devem ser usados com cuidado e com acompanhamento médico e nutricional.

Não consuma nenhuma substância por conta própria e nem siga conselho de amigos sob risco de colocar sua saúde em risco. Consulte um profissional.

8. Não desista!

Pode demorar um pouco, geralmente alguns meses, para que você perceba mudanças no seu peso. Algumas pessoas ficam frustradas logo no início e desistem das medidas que estão tomando para engordar antes dos resultados começarem a aparecer.

Porém, seu corpo só responde a um esquema consistente. Nenhuma dieta para ganhar peso funciona se você não a segue de modo regular.

Fatores hereditários são realmente importantes na determinação do seu peso, mas por meio de dietas e exercícios você pode mudar isso.

Fonte: Banco de Saúde

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário

Benefícios da Proteína para os Idosos

Saiba a importância da Proteína para a Terceira Idade

Com o avanço da idade é natural que homens e mulheres percam a massa muscular progressivamente, caso sejam pessoas sedentárias esse processo tende a se acelerar.
Com a perca dos músculos diminui-se também a força para realizar as tarefas do cotidiano, a proteção dos ossos e das articulações.
A perca da massa se deve a dificuldade do organismo das pessoas mais idosas de transformar as proteínas dos alimentos ingeridos em massa muscular. Essa dificuldade aumenta ainda mais nas mulheres, pois habitualmente as mulheres já possuem menos massa no corpo.

TRANSFORMAÇÕES DA MASSA MAGRA

Composta pelo tecido ósseo, água corporal e proteína muscular, a massa magra é um dos componentes mais nobres do corpo humano. E com o passar dos anos esses elementos vão diminuindo.
Com o envelhecimento, a massa muscular sofre algumas transformações como atrofia e perda das fibras musculares, infiltração de gordura entre as fibras tornando os músculos flácidos.
Diferente dos benefícios da perca de peso entre jovens e adultos, os idosos tem que redobrar a atenção ao emagrecimento, pois leva a redução progressiva da força muscular.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Ao contrário do que se pensa, há uma dificuldade imensa em implementar uma dieta saudável e balanceada na vida dos idosos. Devido há muitos anos com seus hábitos, muda-los de forma repentina tem sido tarefa difícil para os profissionais da saúde.
Pessoas com mais de 60 anos evitam verduras e legumes, passam a ter o famoso hábito de “beliscar” mais e reduzir a quantidade de alimento nas principais refeições do dia, adoram guloseimas, resumindo, eles não se alimentam de forma adequada.
Mas existem algumas explicações para esses hábitos como, por exemplo, a perca de apetite e de papilas gustativas, o que resulta que os alimentos naturais sejam tratados como “sem sabor”.
Para que se obtenha sucesso em alimentar bem os idosos é necessário reforçar a ideia de que as principais refeições são essenciais, diminuir o hábito de “beliscar” e aumentar a ingestão de alimentos que são fontes de proteínas.

WHEY PROTEIN PARA IDOSOS

Para solucionar o déficit de proteínas com o avanço da idade, a ingestão de whey pode ser uma ótima solução.
O whey protein é fonte riquíssima em proteínas e aminoácidos essenciais. Além de auxiliar a melhorar o status ósseo e a perca de gordura, ele pode dar suporte à saúde em virtude de suas características de antioxidante e de sua capacidade de reduzir a pressão arterial, reduzir o colesterol e fortalecer a função imunológica.
Mas antes de ingerir Whey Protein é necessário que se consulte um especialista da saúde para que seja indicado a melhor opção.

Fonte: Suplementaria

Publicado em Treinamento | Deixe um comentário